Capa-Sobrenome

Muitas noivas me contam que não sabem o que fazer e têm muitas dúvidas a respeito de incluir ou não o sobrenome da família do esposo quando se casam!

Algumas pessoas ficam admiradas que, nos dias de hoje, tantas mulheres ainda incluem o sobrenome da família do marido ao seu quando se casam! Para outras, o casamento por si só representa algo antigo e tradicional, e usar um único nome na família é uma forma de manter as tradições familiares pelas próximas gerações!

Se você está se questionando se vai mudar seu sobrenome após o casamento, é importante ter tempo para refletir sobre o que o nome significa para você em relação à sua identidade. Ou seja, como essa decisão da mudança de nome se encaixa nos seus valores, sendo assim uma escolha autêntica, que honra a sua verdade, estando tranquila com a sua decisão de forma madura.

Aqui vou mostrar alguns pontos que podemos pensar, refletir, na hora de escolher sobre a mudança do sobrenome ou não:

  • “É tradição”
  • “O que seus filhos têm como último nome?”
  • “Você não vai se sentir como uma família, se você tem um sobrenome diferente de seus filhos?”
  • “Ah, você está apenas com medo do divórcio”

Penso que o casamento é um ritual, uma tradição, que nos liga com as gerações passsadas e com a nossa comunidade. Hoje em dia, nós vivemos em um mundo individualista, competitivo, imediatista e acelerado, e o casamento nos leva a valores como pertencimento, estabilidade, segurança e amor. E é por isso que os casais continuam celebrando e formalizando a sua união!

Muitas mulheres autênticas que eu conheço me dizem: “Eu não troquei e nem trocaria meu nome, mas ofereci meu sobrenome pro meu marido se ele quisesse colocar no nome dele!” ou “Para mim, adotar o sobrenome do meu parceiro iria afetar profundamente como eu penso sobre a minha própria identidade”.

Cada noiva ou esposa pensa de um jeito! Pessoalmente, eu e minhas filhas, as gêmeas Stella e Gabriela, temos o mesmo nome, e eu acho isso o máximo!

base_Mariana2

converse com a gente
 0             0})
DEIXE SEU comentário
8 Comentários
  1. Miriam Lira, disse:

    Realmente são situações distintas que variam conforme o contexto.

    Meu nome de registro é Miriam Floriano Lira e do meu esposo Tiago Floriano. Eu adoro meu sobrenome a história e o que ele representa na nossa vida. Não queria perder o Lira da minha geração… Conversamos muito sobre o assunto e o meu esposo aceitou colocar o sobrenome Lira no dele, ficando Tiago Floriano Lira, já que não fazia sentido eu acrescentar o dele. Porém vivemos em uma sociedade cheia de padrões. Quando fomos ao cartório registrar o pedido de casamento, o cartorário questionou diversas vezes sobre esse acréscimo. Questionamentos como: Você sabe que não pode mudar depois? Como se tradicionalmente isso já não ocorre, porém em relação as mulheres.

    Nome é identidade. Tem que ser discutido muito para chegar em um consenso.

  2. Larissa, disse:

    Eu não quis mudar meu nome e nem meu marido, por pensarmos na burocracia que é hoje mudar documentos. Mas acho que no fundo, ele bem queria que eu carregasse o sobrenome dele.

  3. Beatriz, disse:

    Quando a minha irma casou, o padre, já um senhor, aconselhou a não colocar o nome do marido. Ele disse que nós somos filhas dos nossos pais e não dos nossos maridos. E que os filhos terão os nomes dos dois. Concordei com ele. E nao teremos todos os sobrenomes, já o marido não mudará. Eu nao quero tirar o sobrenome do meu pai ou da minha mãe para colocar o do marido….

  4. Ana Paula, disse:

    Sempre sonhei em me casar, mas tinha convicção de que não acrescentaria sobrenome do esposo. No dia em que meu irmão mais velho casou, porém, quando o juiz de paz leu que minha cunhada passaria a assinar o nosso sobrenome, meu pai abriu um sorriso indescritível. Depois nasceu minha primeira sobrinha e achei muito legal que ela e a mãe tivessem o mesmo sobrenome, assim como nós com relação à nossa mãe. Sou uma mulher super feminista, estudei, fiz mestrado, doutorado tenho total independência financeira… Minha ideologia é a de empoderamento feminino, mas acho que assinar o nome do esposo está mais relacionado ao entendimento de que passamos a formar uma nova família e de que estamos em sintonia! Casei há pouco mais de três meses, acrescentei o último sobrenome do meu esposo e sinto-me completamente feliz com essa decisão! Não tirei o sobrenome da família da minha mãe, apenas acrescentei o sobrenome dele. É uma questão muito pessoal para que se emita opiniões ou julgamentos, mas testemunhos podem mesmo auxiliar em casos de indecisão.

  5. Denise, disse:

    Ah!! Eu adorei pôr o sobrenome do meu marido!! Não me arrependo nadica!!! Fiz por livre e espontânea vontade, meu marido não opinou em nada sobre isso! Mas eu queria mesmo! Não que isso fosse fazer uma diferença na minha vida, mas porque gostaria de ser chamada de SRa. Gonçalves! Além disso, foi uma ótima tima oportunidade para tirar o meu sobrenome “dos Santos” que em nada acrescentava! Agora eu tenho um sobrenome da minha mãe, do meu pai e do meu marido!

  6. Mariana Pedrini Uebel, disse:

    Meninas
    Estou adorando ler os comentarios por aqui, cada uma com sua historia e feliz com suas decisoes! Isso realmente eh o que importa!
    Eu nao retirei o sobrenome da minha familia, sigo usando.
    Como a Ana Paula colocou, a ideia de abordar o assunto eh ajudar a fazer a decisao com mais clareza e seguranca!
    Usando as palavras da querida Fernanda, dona do Blog: Amando as suas escolhas!
    Bj
    Mariana

  7. Wal, disse:

    É uma coisa bem pessoal mesmo, não existe certo ou errado. Quando me casei, eu e meu marido buscamos tinhamos a intenção de acrescentar ambos sobrenomes, tanto o dele no meu quanto o meu no dele, mas não gostamos de nenhuma combinação. Aí decidimos manter. Já para o nome dos filhos, vamos colocar meu sobrenome no final porque fica mais bonito. Minha irmã acabou de fazer isso com meu sobrinho e, apesar de não haver exigências legais, foi uma novela no cartório porque para eles “o sobrenome do pai tem que vir por último”. Convenções a parte, cada um deve fazer o que achar melhor. :)

    Beijos

  8. Bella Lanzillo, disse:

    No meu caso o meu marido q colocou o meu sobrenome :) O meu permaneceu o mesmo de nascimento 😉 E a minha filha só tem o meu sobrenome também 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Você vai casar e uma das decisões com o casamento civil é sobre adquirir o sobrenome do marido ou não? Esta é na verdade uma decisão bastante pessoal. Tradicionalmente as mulheres adquiriam o sobrenome do marido para indicar que agora fazem parte da família dele, e que juntos são uma família com o mesmo nome. Porém hoje em dia muitas mulheres preferem não alterar o sobrenome argumentando manter a individualidade ou mesmo pelo transtorno de ter de alterar todos os documentos após o casamento.  Eu particularmente gosto de seguir a tradição e fiquei feliz em adotar o sobrenome do meu marido.

O lado bom é que a lei no Brasil não impõe a alteração do sobrenome, você pode decidir conforme sua preferência: De acordo com o § 1º do artigo 1.565 do Código Civil, qualquer um dos cônjuges (e não somente a noiva), querendo, poderá acrescer ao seu sobrenome o do outro. Note que não é uma imposição legal, razão pela qual as pessoas podem optar em fazê-lo ou não.

Perceberam que o artigo apenas menciona sobre “acrescentar o sobrenome” e nada é dito sobre a retirada de um dos sobrenomes? Como saber se você poderá excluir um sobrenome ou não? Ligue para o cartório de registro civil mais perto da sua casa, afinal cada Estado brasileiro pode estabelecer normas próprias. Ainda há Estados da Federação que negam aos noivos a possibilidade de suprimir qualquer dos nomes. Portanto a forma mais fácil de acabar com a sua dúvida é perguntando no seu próprio cartório!

No Estado de São Paulo, o provimento número 25 da Corregedoria Geral (Provimento CG 25/2005), prevê que: “Qualquer dos nubentes, querendo, poderá acrescer ao seu o sobrenome do outro, vedada a supressão total do sobrenome de solteiro” (item 72). Assim sendo, admite-se a supressão de algum dos sobrenomes originários se a pessoa possuir mais de um nome de família. Por exemplo: se uma pessoa chamada Ana Paula Silva for casar, ela não poderá suprimir nenhum nome, pois além do nome próprio ela só possui um sobrenome e sua supressão é vedada pela lei; o mesmo acontecendo no caso do homem. Já se a pessoa possui mais de um sobrenome, por exemplo: Carolina Souza Silva ela pode, ao casar, além de acrescer ao seu nome o sobrenome do marido, retirar UM dos seus sobrenomes, seja o “Souza” ou o “Silva”, jamais os dois.

No Estado do Rio de Janeiro, “§ 6º. Nos termos do § 1º do art. 1.565 do Código Civil, os noivos não podem suprimir algum dos seus sobrenomes”, então, a princípio, no Rio de Janeiro nenhum nome pode ser suprimido. Porém liguei num cartório do Rio de Janeiro e me informaram que havendo o desejo de suprimir um dos sobrenomes, na entrada da documentação a pessoa deve fazer uma petição ao juiz do cartório solicitando a exclusão de um dos sobrenomes.

Lembrando que o prenome jamais poderá sofrer alteração no casamento, no exemplo da Ana Paula ela não poderia suprimir o “Paula” por não ser sobrenome.

É raro que os homens queiram adotar o nome da esposa, mas, é possível, contanto que o nome resultante seja uniforme (sobrenomes iguais). Mais um exemplo: Maria Mendes e Luís Leme querendo casar e adotar um o nome do outro ficariam: Maria Mendes Leme e Luís Mendes Leme.

E sobre a alteração dos documentos? Sinceramente acho um exagero a decisão sobre o sobrenome ser tomada pelo trabalho ou não da emissão de novos documentos.  Os documentos não precisam ser alterados todos de uma vez só, podem ser aos poucos. Dê prioridade para o RG e CPF, e também atualize o endereço e nome nas contas que recebe em casa (luz, gás, cartões de crédito, telefone) porque sempre precisamos de um comprovante de endereço com nome correto.

RG: Orgão Expeditor de cada Estado. Em São Paulo pode ser no POUPATEMPO. O número do CPF agora é adicionado também no documento RG;

CPF: Nas agências do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal ou dos Correios. O número permanece o mesmo, apenas o nome é atualizado.  Veja o procedimento completo aqui.

CNH: DETRAN. Pesquise no site do DETRAN da sua cidade. Aqui em São Paulo eu preenchi o formulário pelo site e agendei horário no Poupatempo, foi fácil e rápido.

Título Eleitoral: Cartório Eleitoral; levar a certidão de casamento e uma cópia e solicitar a alteração. Fica pronto na hora.

Passaporte: Posto da Polícia Federal. Você pode usar seu passaporte com o sobrenome de solteira até ele ser expirado, desde que em todas as viagens leve junto coma cópia autenticada da certidão de casamento. Caso vá usar seu passaporte com o sobrenome de solteira, emita a passagem aérea com o sobrenome de solteira também (nome e sobrenome devem estar iguais no passaporte e na passagem, para não ter problema).

Visto Americano: mesmo que você atualize o sobrenome no passaporte, não precisa atualizar o visto americano. Basta andar com os dois passaportes, o novo e o antigo com o visto. Eu viajei diversas vezes para os EUA com passaporte atualizado e visto americano antigo e nunca deu problema (sempre levei certidão de casamento por segurança, mas nunca me pediram…)

Este post foi escrito com grande ajuda da advogada Lívia Vital Bueno e da  Mayra Gouveira, Oficial de Registro Civil e Tabeliã de Notas no interior de São Paulo.

converse com a gente
 0             1})
DEIXE SEU comentário
208 Comentários
  1. Ana Carolina, disse:

    Bom dia Fernanda!

    Eu adorei o post. Também adotei o nome do meu marido e resolvi não suprimir nenhum sobrenome. Eu já tinha um nome grande de solteira, e ficou um pouquinho maior, mas não me senti confortável em retirar os sobrenomes da minha mãe e, na verdade, eu acostumei a ter nome grande, então tudo bem.
    Ainda não mudei nenhum documento. Mas agora com o seu post, acho que vou começar!!
    Beijinhos e ótimo post!

  2. Vanessa Marchetti, disse:

    Excelente Post Fê!!! Moramos em SP, eu e meu noivo decidimos adotar o sobrenome um do outro. Como sou fiha única, imagina a felicidade do meu pai em saber que o meu futuro maridinho irá acrescentar o sobrenome de minha família ao dele!!!

  3. Elisa, disse:

    Já casei no civil (fazem 2 anos!) e nao alterei. Aqui na Alemanha a “regra” é adotar somente o nome do marido (dá pra acrescentar, mas elas acham dois sobrenomes MUITO comprido… hihi). Como eu tenho 3 sobrenomes de nascimento nao tive coragem de tirar dois deles para formar um nome duplo e acrescentar seria impossível na lei e na prática. Adotar somente o do marido nem me passou pela minha cabeca de brasileira.
    Nao tem uma pessoa que nao pergunte porque eu nao me chamo como o meu marido, eles acham muito estranho… De qualquer jeito conversei sobre isso com a minha sogra (o sogro é falecido) e ela, ainda bem, nao viu problema. Meu marido claro que nao amou a idéia, mas aceitou a minha decisao.
    As vezes penso se nao vou me arrepender quando tivermos filhos, pois a lei daqui só admite um sobrenome para criancas (que será o dele) e tenho medo de ficar muito complicado ou esquisito, pois aqui tu é conhecido e reconhecido pelo sobrenome.

  4. Grazi, disse:

    Muito legal o post, completinho!´
    É realmente uma questão muito pessoal e tem que ser decidida de forma democrática. Desde pequena sempre quis adicionar o nome daquele que se tornaria o meu marido e não fiz diferente quando fomos dar entrada na papelada. Aliás, ele ficou super satisfeito em ver que eu nem pestanejei pra colocar o nome dele, mesmo sendo bem complicado, daqueles que temos que soletrar TODA vez.. mas ele mesmo sempre diz: ué, eu tenho que soletrar nome e sobrenome toda vez, é questão de costume! hehe
    Mas também não tive coragem de retirar um dos meus sobrenomes de solteira, porque são dois e um é da minha mãe e o outro do meu pai. Acho que se tirasse sempre iria ter a impressão de não estar completo.
    Vai ficar um nome um pouco grande, mas não é todo dia que a gente fala o nome completo, né?
    Agora é só esperar chegar o grande dia pra a partir de então ser oficialmente da família dele! :)
    beijo!

  5. Elisa, disse:

    O nome duplo que eu falei é como eles usam aqui na Alemanha, por exemplo: Souza-Schmidt. E assim, quando a cidada for em qualquer lugar (médico, reuniao de trabalho) vao chamar de Frau Souza-Schmidt. Se os dois sobrenomes forem grandes fica meio inconveniente.
    Homem também pode adotar somente o sobrenome da mulher ou um sobrenome duplo (essa modalidade eu volta e meio vejo), mas crianca só pode ter um sobrenome. Eles falam que é pra permitir que quando a crianca casar ela possa fazer um sobrenome-duplo.

  6. Priscila Machado, disse:

    Fernanda, parabéns pelo post super explicativo…eu casei faz quase 2 anos! Moro em Brasília e na verdade nem perguntei se poderia retirar ou não algum dos sobrenomes, apesar de já saber que poderia, pois estava certa que iria apenas acrescentar um do meu marido, e ele me surpreendeu na hora, pois nunca tínhamos conversado sobre a hipótese contrária, e de repente vem o pedido, ele quis retirar um dele e colocar o meu, assim o sobrenome dele ficou igualzinho ao da nossa filhinha…
    Quanto à troca de documentos, também não tivemos problema…aqui o Poupatempo chama-se Na Hora, lá trocamos o RG (apenas uma coisa eu não sabia: o meu número manteve-se igual, por já ser do DF e eu paguei taxa, porém o meu marido não pagou taxa pq o dele é originário de Minas, aí criou um novo número, isso ele achou ruim..rs), depois passamos direto na Receita Federal e trocamos o CPF, só tivemos que ir aos Correios – que é do lado – para pagar e a CNH troquei só este ano quando venceu, pois já estava com os documentos necessários para atualizar. O passaporte não trocamos ainda, até porque como teremos que ir tirar o da nossa filha, e os nossos já estão quase vencendo, não vimos naquele momento muita necessidade da troca com urgência.
    É isso!

  7. Priscila Machado, disse:

    Corrigindo: não trocamos o CPF, apenas atualizamos, claro!

  8. DANIELA, disse:

    Agora dia 23 fazemos 1ano de casados, eu conversei no cartório daqui de Minas e não pudemos suprimir nenhum nome, mas tiramos as preposições e acrescentamos o sobrenome um do outro, o que antes era Resende de Oliveira e Moraes da Silva, tornaram-se Resende Oliveira Moraes e Moraes Silva Resende.

    Priscila, meu marido é cearense, ele preferiu esperar nossas férias para mudar o RG dele lá para não ter mudança de número. E eu só mudei o RG, vou terminar a mudança agora nas minhas férias!

    Beijos

  9. Taisa Morais, disse:

    Fê parabéns pelo ótimo post e muito obrigada por mais uma vez esclarecer as dúvidas que vão surgindo durante os preparativos do casamento. Vou optar por tirar um dos meus sobrenomes já que não existe vínculo algum com a parte da familia que tem tal sobrenome. Adotarei o do meu futuro marido, muito feliz em estar construindo um novo núcleo familiar.

  10. Luciana Teixeira, disse:

    Post muito útil Fer!!!
    Eu tb sempre quis colocar o nome daquele que seria meu esposo, acho que pelo motivo que vc falou de nos tornamos uma família com o mesmo sobrenome! Vou me casar daqui a dois meses, já demos entrada nos papéis do civil, vou acrescentar o sobrenome do meu noivo e isso foi super natural pra mim, apesar do noivo achar o sobrenome dele feio e não fazer questão que eu colocasse! rsrsrsrs!!! Tb optei por não tirar nenhum dos meus sobrenomes, tenho o da minha mãe e do meu pai, por isso não me senti bem em retirar qualquer um que fosse, como a Ana Carolina disse, eu não ia me sentir completa! Então a partir do dia 6 de setembro terei 3 sobrenomes!!!
    Parabéns pelo post Fer, sempre arrasando!

  11. Aninha, disse:

    Nossa Fer, você acompanha passo a passo do meu casamento. Quando fui ver a roupa do noivo, suge o post de roupa para noivo, agora acabei de voltar do cartório. Não tirei nenhum nome meu e acrescentei o do meu futuro marido com muito orgulho.
    Agora tenho que providenciar a mudança dos documentos que eu não sabia como fazer, mas agora sei.
    Como sempre, ótima dica
    Abraços

  12. Manuella, disse:

    Fê, só gostaria de acrescentar mais 2 detalhes, já que sou bancária e sei das implicações que podem surgir posteriormente, no que tange a serviços bancários. Deve-se alterar também o PIS/PASEP e o FGTS. O PIS e o FGTS nas agências da Caixa Econômica Federal e o PASEP nas agências do Banco do Brasil. Além da certidão de casamento, deve-se levar cópia dos documentos de identificação (Identidade e CPF) e comprovante de residência atualizado!!
    Aqui no Espírito Santo também é proibido suprimir sobrenome, assim como no Rio de Janeiro. Mas em conversa com o oficial do cartório ele me disse que poderá ser feita uma solicitação ao juiz que pode autorizar ou não. E me alertou que isso pode levar um tempo maior de resposta, portanto quem tem essa intenção deverá dar entrada nos papéis com mais antecedência.
    Ahhh… e só para falar da minha situação eu manterei os meus 2 sobrenomes e adotarei os 2 do meu marido. E posso dizer que ele ficou com um sorriso de “orelha a orelha” diante da minha decisão!!
    Espero ter ajudado!!!
    Beijosss

  13. Paula, disse:

    Eu já tenho 3 sobrenomes, mas não abro mão de adotar o sobrenome do meu marido, então retirarei o sobrenome da minha mãe. Aqui em Porto Alegre os cartórios não permitem a supressão de nenhum sobrenome, mas é possível entrar com um Mandado de Segurança, vários desembargadores são favoráveis a isso. Meninas que moram em Estados em que os cartórios não permitem a supressão, façam uma pesquisa na jurisprudência do Tribunal, muitas vezes é possível fazer essa alteração pela via judicial.

  14. Paula, disse:

    Olá Fernanda,

    Seu trabalho é incrível. Cada dia me encanto mais com os posts.

    Fica aqui minha dúvida:

    Posso escolher qual dos dois sobrenomes do meu noivo vou acrescentar? Por exemplo se ele se chamar Fulano Silva Santos, tenho obrigatóriamente adicionar o Santos ou posso adicionar o Silva?

    Grata

  15. Joanice, disse:

    Casei ontem no cartório e não mudei meu nome. Eu nunca pensei em mudar. Minha mãe também nunca mudou o dela. Mas os meus sogros leram a certidão e nem sabiam que podia não mudar…

  16. Lais, disse:

    Muito bom o post, claro e simples.. tenho apenas uma dúvida, qdo vc tem o visto americano, válido por 10anos, existe a necessidade de enviar à embaixada americana o novo passaporte, para um novo “carimbo”? Ou apenas devo carregar os 2 passaportes? Obrigada!

  17. Renata, disse:

    Aqui tb adotamos o sobrenome um do outro e não retiramos nenhum anterior. Ainda bem que foi uma decisão bastante natural da parte dele, pq pessoalmente não vejo mt sentido, hj em dia, de só a mulher mudar seu nome de solteira. O romantismo e o simbolismo de participar da família um do outro fazem inclusive mais sentido se os 2 mudarem. E quanto à tradição, bem, nem tudo o que é tradicional é necessariamente bom, e é sempre recomendável pensar no contexto em que a tradição foi criada para refletir se é caso de ser perpetuada na sua família ou não.

    De resto, mt bacana encontrar nos comentários outras 2 casais que fizeram como nós, ótimo saber que está se tornando mais comum, pq, pelo o que eu observo, ainda é algo encarado com certo choque (?) pela maioria das pessoas.

  18. Maísa, disse:

    Nossa Fê parabéns pelo post! Já liguei no cartório aqui de BH e vou poder sim retirar um sobrenome e acrescentar dois do meu noivo, que ficou mega feliz com a minha decisão.

  19. Elisa, disse:

    Oi meninas, acho que as coisas tem que ser conversadas pra ninguém ficar chateado, mas nao acho que essa decisao tem que ser democrática. É uma decisao pessoal de quem quer (ou nao) mudar o nome, ao conjuge só resta se conformar caso seja contrariado(a).
    Pra alguns é fácil, mas pra outros (como para mim) é muito complicado retirar parte do nome (me sentiria cortando uma parte de mim fora).

    Quando forem registrar os filhos pensem nisso e por favor nao coloquem um nome gigante. No meu caso de três sobrenomes dificulta a vida burocrática (nunca tem espaco suficiente em formulários) e impossibilitou adicao do sobrenome do marido.

  20. Elisa, disse:

    Lais, no site da embaixada americana eles explicam direitinho essas coisas. É a fonte mais segura de informacao.

  21. Fernanda, disse:

    Bom dia! Parabéns pelo artigo!
    Mais uma vez, a Dra. Lívia, vem nos informar de maneira clara e precisa, quanto às nossas dúvidas,
    sempre com muita qualidade e carinho!
    Obrigada!

  22. Ju, disse:

    Oi, Fê! Me caso em agosto e meu processo acabou de ficar pronto no cartório. Eu suprimi um dos meus sobrenomes e coloquei o último nome do meu futuro marido. E ele também conseguiu mudar o dele! E, ao contrário do que vc falou no post, os nomes não ficaram iguais, pois ele manteve o nome da mãe dele… Segundo o cartório, podemos solicitar a alteração de nomes da forma como quisermos, porém o processo será analisado pelo MP, que pode aprovar ou não. Se eles não concordarem, o processo volta e cai em exigência…o risco é atrasar o processo… Por isso, quem quiser fazer alterações no nome (novas e noivos), sugiro fazer com mais antecedência!

    E, enfim, o nosso foi aprovado!!! :) Fiquei muito orgulhosa e feliz do meu noivo ter mudado o nome também. Se o raciocínio é mudar para se tornar uma única família, pq só a mulher tem que fazer isso?? Assim, eu fiquei com um dos sobrenomes dele e ele ficou com o meu tb…
    Agora, faltam 45 dias para concretizarmos tudo!! :)
    Espero ter ajudado vcs! Grande beijo pra todas!

  23. Marina, disse:

    Fernanda, excelente post!
    Assim como você, tbm pensava na questão de tradição, da família (esposa, marido, filhos) todos com o mesmo sobrenome. Fiquei com muita dúvida na época em relação a qual dos sobrenomes deveria utilizar.. então, assim como a minha sogra, acabei pegando os dois sobrenomes. Meu nome que era curto, hoje ficou um pouquinho grande(rsrs), mas não me arrependo nem um pouco da decisão.
    Bjs!

  24. Aly, disse:

    Tenho uma amiga que mudou o nome no Cartório, acrescentando o do marido, mas não mudou documento nenhum… dá algum problema? Estava pensando em fazer a mesma coisa.

  25. Suzie, disse:

    Eu estou super na dúvida. Sei que meu futuro marido talvez fique chateado de eu não adotar o nome dele, mas para mim ainda soa muito estranha a mudança de nome. Ainda não decidi se mudo ou não, ou seja, se acrescento o dele ao meu ou não, porque não consegui me acostumar com a ideia dessa mudança, até porque eu acredito que os nomes tem energia própria e carregam a personalidade da pessoa, portanto, mudar o meu nome altera mais do que simplesmente algumas letrinhas.

    Eu gostaria que meu futuro marido adotasse um dos meus nomes também. Acho bacana essa iniciativa dupla e menos machista. Talvez eu me sentisse mais confortável com uma mudança conjunta e acho que meu pai ficaria feliz, por seu ser filha única e ele teria um genro com o seu sobrenome também.

  26. Talita, disse:

    Ótimo esse post! Adorei!
    Eu e meu noivo estávamos com muitas dúvidas nessa área, mas agora, todas foram sanadas! Finalmente sei o que vamos fazer com relação aos nossos sobrenomes.
    Parabéns, Fernanda! Seu blog ajudo muito as noivinhas do Brasil!

  27. Raquel, disse:

    Eu gostaria de acrescentar o sobrenome do meu noivo, mas só de pensar no tanto de documentos que precisam ser atualizados talvez eu não acrescente.
    Além dos documentos mencionados, sou empresária e preciso alterar toda a documentação da empresa. E também, eu nem tenho tempo de ficar indo no Poupatempo (que não poupa tempo nenhum) pra alterar tudo isso.
    Fico pensando se eu poderia alterar só RG, CPF e CNH por enquanto e fazer as outras alterações aos poucos, mas não encontrei nenhuma legislação sobre o assunto.

  28. Andrea Nunes, disse:

    Muito útil o post, pois faz pouco tempo que tive que tomar essa decisão, que foi tranquila, mas que me deu um pouquinho só de angústia.
    Não adotei o sobrenome do futuro marido primeiro porque nunca quis mudar, segundo porque já passei 31 anos com o mesmo sobrenome e acho que seria estranho pra mim ter outro de repente e terceiro porque eu gosto do meu nome compridão, do jeito que meus pais me deram, embora tenha sempre um ou outro formulário sem espaço suficiente pra ele.
    Mas fiquei um pouco angustiada por conta da tradição toda de assumir o sobrenome do marido. Graças a Deus ele é incrível e me disse tranquilamente que não se importava nem um pouco com isso, tampouco se importam nossas famílias. Nas palavras dele, nossa família será a Nunes-Correia pela nossa união e amor e não pelo papel. Afinal, um sobrenome não garante felicidade de ninguém. Fofo, né?
    É como alguém comentou aí em cima: isso é mais uma decisão de o que cada um quer do que uma questão burocrática. Adorei os depoimentos das meninas aí de cima. Espero que sejamos todas muito felizes, com sobrenomes alterados ou não. :)

  29. Priscilla, disse:

    Parabéns pelo post. Muito esclarecedor, pois esta é uma decisão bem importante para os noivos. Quando a gente pensa em casamento muitas vezes esquecemos da parte burocrática. Estou verificando aqui no Paraná como é o procedimento e detalhes para celebração do casamento civil. Além desta questão do nome estou enfrentando bastante burocracia, pois quero que um amigo meu que é juiz e será padrinho, celebre a cerimônia civil. Tenho certeza que valerá a pena todo esse blábláblá do cartório, pois será legal ter uma pessoa íntima dizendo as palavras certas no momento mais importante da minha vida.

  30. Lívia Lisbõa, disse:

    Vou engrossar a parcela das que acrescentaram o sobrenome do noivo e tem marido que incluiu o sobrenome da noiva! Aqui somos Lisbôa Marquezini há 3 anos. Esse é um ano eleitoral, e eu vou verificar meu título! Se bem que, podendo votar apenas com o RG, acho que foi isso que eu fiz da última vez…

  31. Ana Claudia, disse:

    Olá Fernanda , antes de tudo parabéns pelo post!
    Me casei mês passado e acrescentei o sobrenome do meu marido , mas estou com um dúvida , meu passaporte vence daqui a 5 anos , e meu visto para os EUA vence em 10 anos , entendi que posso ficar usando meu passaporte , mas e quando for renova-lo vou ter que andar com os dois como de costume , por conta do visto , mas e o nome alterado? Você sabe como devo proceder?
    Obrigada , bjs a todas!

  32. Elisa, disse:

    Ana Claudia, essas coisas de vista vola e meia mudam. Se eu fosse você só veria a questao do visto americano quando você for renovar o passaporte (daqui a 5 anos pelo o que eu entendi). É capaz de até lá brasileiro nem precisar mais de visto (tomara!).

  33. Danieli Bárbara, disse:

    Nossa, Fernanda!
    Não sabe o quanto eu procurei essa informação do passaporte online e não achei!
    Eu havia renovado meu passaporte 1 mês antes do casamento (ainda com o nome de solteira)e fiquei com medo de ele não valer mais! Thanks pela dica!

  34. Wal, disse:

    Excelente post fê! Eu e meu marido sentamos, conversamos, analisamos as possíveis combinações (pq sim, ele também estava disposto a mudar) e nenhum dos dois se sentiu confortável com os nomes que surgiram. Daí decidimos que cada um manteria o nome do jeito que está. Sabe o que é engraçado? Eu só tenho o sobrenome do meu pai. Minha mãe adotou o nome dele, mas como eles casaram depois que eu nasci, na minha certidão consta o nome dela de solteira. Talvez por isso, na minha cabeça, a questão do nome não tenha tanta importância. É como disseram, uma coisa bem pessoal mesmo. Vamos deixar pra juntar sobrenomes quando vierem as crianças. :)

    Beijos

  35. Patrícia, disse:

    Fernanda, primeiramente parabéns pelo site, acho muito interessante os seus posts, e estão me dando ideias de como fazer os preparativos para o meu, que será em breve. Só gostaria de fazer uma correção quanto à mudança do CPF… Desde setembro de 2011 não é mais emitido o documento, nem para quem realiza inscrição pela primeira vez, nem para alterar o nome do documento. O procedimento continua a ser realizado pelos órgãos responsáveis, porém após a realização da operação, inclusive de 2ª via, o contribuinte precisa acessar o site da Receita Federal e imprimir o comprovante, que é considerado o cartão válido. Trabalho nos Correios, e sempre precisamos informar os clientes deste detalhe, pois embora o governo brasileiro tenha suprimido o cartão, o número ainda é um documento essencial, pessoal e intransferível que nos acompanhará a vida toda. Espero que a informação possa ser útil a todas as leitoras!

  36. Ge Martins Bueno, disse:

    Ótimo post!
    Eu também preferi acrescentar o sobrenome do maridinho e ele ficou tão feliz, que pra mim foi bom também.
    Ainda só mudei o cpf e o rg, mas agora que entrei de férias vou aos locais autorizados para alterar os demais. Acho importante!

  37. Cristiane, disse:

    Eu e meu noivo decidimos manter o mesmo nome de solteiro. Já tive problemas com inscrição em vestibular e com a compra de um celular, pq quando meus pais se separaram minha mãe voltou a ter o nome de solteira e, no meu RG, continua o nome de casada dela. Aí, quando vão cruzar os dados por aí, eles não batem algumas vezes. A vantagem é que o meu sobrenome paterno e o sobrenome materno dele são os mesmos, então vamos ter um sobrenome em comum mesmo sem mudar nada!

  38. Juciéle Ferreti, disse:

    Eu acrescentei o último sobrenome do meu marido, sou apegada as tradições e acho importante ser identificada como “esposa de fulano de tal”.
    Confesso que no dia-a-dia uso somente o sobrenome da minha mãe, pois todos me conhecem desta forma…
    Atualizei RG, CPF, PIS, FGTS e passaporte. Estou esperando a data para renovar a CNH assim faço tudo de uma vez só. Já o título de eleitor eu deixei pra depois.

    Algumas informações sobre atualização de documentos:
    – CPF: O documento não é mais emitido, mas é possível colocar o número no RG, assim como o número do PIS. Então dá pra aproveitar a atualização do RG e incluir o número destes documentos!
    – PIS e FGTS: verificar a necessidade de estar atualizado em casos de utilização do FGTS, seja em casos de financiamento imobiliário ou rescisão de trabalho.
    – Passaporte: se o passaporte não estiver atualizado solicite que a passagem seja emitida no nome de solteira. (Tenho uma amiga que precisou comprar uma passagem para a África do Sul no aeroporto 2 horas antes do embarque, pois a passagem estava com nome de casada e o passaporte com nome de solteira. nem a certidão de casamento original resolveu!!!)

  39. Mariana Melissa, disse:

    Show! Adorei esse post, esclareceu muitas dúvidas minhas. Parabéns hein, ficou sensacional! Com certeza está ajudando muita gente ^^

  40. Luana, disse:

    Matéria super legal! Tinha muitas dúvidas, mas todas foram esclarecidas. Parabéns!

  41. Dan Castilho, disse:

    No estado de São Paulo quase todos os documentos podem ser facilmente trocados no Poupatempo. Minha esposa resolveu isso em pouco mais de 1hora.

  42. Elizabeth Vargas, disse:

    Excelente post e acho fundamental a dicussão, pois muitos casais nem sabem de todas as implicações e opções disponíveis… não mudei meu nome por muitos motivos, mas o principal deles foi o fato de não gostar da idéia de posse “oficial”. Nada contra quem faz, é uma decisão muito pessoal, mas realmente não combina comigo…
    Bjs

  43. Monique, disse:

    Fernanda

    Adorei seu post porém tenho uma dúvida: me casei recentemente e não adotei o sobrenome do meu marido, porém me arrependi e gostaria de fazê-lo agora (1 mês após o casamento). Você sabe me dizer se posso incluir o sobrenome dele agora?

    obrigada
    bjos

  44. Louise, disse:

    Vou casar em outubro e não vou colocar o sobrenome dele, pois a tradição é o de menos quando o que realmente importa é o amor e a união!!
    Adorei as justificativas das meninas:

    “não gostar da idéia de posse “oficial”.”

    “É uma decisao pessoal de quem quer (ou nao) mudar o nome, ao conjuge só resta se conformar caso seja contrariado(a).”

    “Não adotei o sobrenome do futuro marido primeiro porque nunca quis mudar, segundo porque já passei 31 anos com o mesmo sobrenome e acho que seria estranho …isso é mais uma decisão de o que cada um quer do que uma questão burocrática. Adorei os depoimentos das meninas aí de cima. Espero que sejamos todas muito felizes, com sobrenomes alterados ou não. :)”

  45. nanda, disse:

    Meu nome já era enorme,mas mesmo assim tmabém fiz questão se seguir a tradição acho legar a família ter o mesmo nome. Agora sou Fernanda Galvão Gonçalves Moreira al Khouri. Mas realmente alterar todos os documentos é bem chatinho, cm 1 ano de casa ja fic identidade, cpf e passaporte, falta o titulo de eleitor e carteira de motorista ufa!

  46. Vanessa, disse:

    Fernanda, quando eu fui me casar, o meu esposo queria adotar o meu sobrenome para ficarmos com os sobrenomes iguais mas não foi possível, pois foi dito para nós que ele não poderia acrescentar o meu sobrenome no meio do sobrenome dele e sim no final. Então utilizando o exemplo você usou ficaria na verdade Maria Mendes Leme e Luís Leme Mendes. Me casei no interior de São Paulo. Será que foi apenas um mal entendido? bjos…

  47. Bruna, disse:

    Olá, eu marquei meu casamento no civil e meu noivo é quem vai usar meu sobrenome, e mesmo não mudando o nome precisamos atualizar todos os documentos, porque agora seremos casados.

    Bjus

  48. Verônica, disse:

    Nossa, muito bom o post!

    A Fê sempre nos ajundando, né?!

    A minha dúvida é a mesma da Paula, posso escolher qual sobrenome do meu noivo adotar?

    Não vou suprimir o meu sobrenome é longo, mas não quero alterar.

    Beijos!

  49. Daniela Camata, disse:

    Olá, também vou engrossar a parcela dos casais que acrescentaram o sobrenome dos dois!!! Acho que hoje em dia não tem porque só a mulher adquirir o sobrenome do marido, afinal se o objetivo é ser a mesma família, melhor que os dois mudem. Fiquei muito feliz quando meu noivo mostrou interesse em colocar o sobrenome do meu pai no nome dele!!!

  50. Andressa, disse:

    Adoro tradição e vou adquirir sem dúvida alguma o sobrenome do meu futuro marido. Afinal quando se casa, ambos se torna apenas um. Acho bonito a mulher ter o sobrenome do marido, mais não discordo daquelas que preferem continuar com o nome de solteira. Afinal o importante é ser feliz com ou sem o sobrenome do marido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>